Skip to content

2012. Foram inúmeras as previsões para esse ano que vivemos! O mundo vai acabar? Os maias tinham razão?

1 de junho de 2012

Por Nadia Rebouças

O ser humano passa por um momento especial. Talvez o mundo não acabe. Talvez as previsões sejam de que o mundo, como o conhecemos, vai acabar. Ou será que começa a acabar? Ou será ainda, que caso a população mundial não consiga visualizar as profundas mudanças que precisa operar, o planeta entre num caminho onde as condições atuais de vida na Terra sejam outras?


Não sabemos. Mas talvez não por acaso, o ano de 2012 será o ano da Rio + 20. Criamos uma oportunidade. Não sabemos se ela será aproveitada no nível suficiente que nossa querida casa, a Terra, precisa. Caminhamos para sete bilhões de habitantes no planeta, com quase um milhão vivendo com fome e não compartilhando de todas as nossas maravilhosas descobertas tecnológicas. Alguns comem demais, arriscando a vida exatamente como aqueles que comem menos, ou nada.

Vivemos o tempo da complexidade e dos paradoxos. Vivemos o tempo que investir em alertas que cheguem à consciência da humanidade são fundamentais, é como investir no ar que respiramos! Muitos estão completamente à margem dessa discussão. A maioria da população não tem noção que os desafios que serão discutidos na Rio + 20 impactam o nosso cotidiano.

É muito importante que os governos cheguem a acordos inovadores. As previsões já nos anunciam que poderemos ficar decepcionados, apenas com pequenos avanços. Sabemos que a mudança que precisa ser feita é profunda: mexer com a economia para que possam surgir reflexos no meio ambiente e no social. Sabemos também que a economia só pensa em taxas de crescimento, que o PIB só mede o quantitativo. Todas essas medidas deixam o que tem vida para trás.
Mas o que os governos vão conseguir avançar tem uma importância relativa frente a nossa capacidade de ação e de transformação. O mundo está nas ruas. Esse ano inteiro movimentos sociais intensos ocuparam as ruas indicando um cansaço das condições atuais de vida no planeta.

É obrigação de cada um de nós anunciarmos, alardearmos o que esse grande encontro significará: uma oportunidade, um rito passagem.   Paralelo a essa inconsciência existem milhares e milhares de pessoas, de todas as gerações e classes sociais, pertencentes a todos os setores, que estão buscando não perder essa oportunidade. Trata-se exatamente disso, uma oportunidade!   É como se a humanidade estivesse prestes a ter um derrame, um ataque do coração! Já saímos do tempo de investir em prevenção, é atendimento de emergência. Que evitemos o pior!

Essa emergência está na minha mão e de cada um de vocês. Caso você seja uma pessoa que já tomou consciência de nosso desafio, aja. Na sua comunidade, na sua empresa, na escola de seus filhos. Não se finja de morto. Evite a morte súbita da humanidade. Fale, informe, lute contra todos os absurdos que construímos. Desde o desmatamento, não só lá na Amazônia, mas da sua rua. Plante. Recicle. Converse com o próximo, fale, impacte! Coma e cuide de seu corpo com consciência, ande de bicicleta, recuse-se a pensar que seu carro é você!  Pense antes de comprar: você precisa disso mesmo? Feche a torneira.

Não ponha sua vida a serviço do lucro, dando prejuízo à nossa casa! Pense em nova forma de lucro, aquele que ainda nem conhecemos. Revise suas taxas de investimento. Escute. Olhe para os lados, com consciência. De preferência coloque seu trabalho a serviço da vida! Sua vida a serviço da vida, sem preconceito! Viaje num avião pilotado por uma mulher! Caso uma negra te atenda num restaurante, considere a possibilidade dela ser a empresária, dona do restaurante e não uma empregada da casa. Deixe de lado esse desejo irresistível de comprar um carro novo, lembre do seu desespero no trânsito!

Procure uma nova descoberta para seu trabalho produzir menos resíduo, usar menos água, usar menos seu tempo em planilhas Excel. Invista em comunicação face a face, elimine dor no trabalho. Fique mais com seus filhos, olhe mais para o céu, de repente lá tem luas e estrelas. Enfim trabalhe para que 2012 seja não o começo do fim, mas o começo de um novo tempo da civilização. Torça pelos de bem que estarão lutando pelo melhor para os humanos. Não repita insistentemente: Ah, nada vai acontecer! Nada vai mudar! Visite a Cúpula dos Povos no Aterro do Flamengo, vá até a Karioca na antiga Colônia Juliano Moreira, acompanhe as notícias que virão do Riocentro.

Viva a Rio + 20!
Caso você trabalhe em comunicação não faltarão certamente oportunidades. Trabalhe então com toda sua criatividade para descobrir e dar destaque a cada oportunidade de fazer, MAS FAZER DIFERENTE! Que muita coisa aconteça a ponto de nos surpreender.
Bom Rito de Passagem para você!

Nadia Rebouças é comunicadora e está à frente da agência Rebouças & Associados

No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *